quarta-feira, junho 09, 2021

SONHO

 





Como um veleiro,

tenho minha vela erguida

e sulco,

não os mares,

mas os sonhos que há na vida,

rasgo ao meio aqueles que são feios,

mas lanço ferro e pernoito

se me enleio naqueles que tu teces...

Durmo com eles

e sonho um outro sonho!

Já não sou veleiro,

sou apenas sonho,

um sonho que tu sulcas

com a tua vela erguida.

~Imagem da net

19 comentários:

chica disse...

Lindo e com uma bela mensagem cifrada... beijos, chica

Cidália Ferreira disse...

Fantástico! :))
-
Não deixarei o meu silêncio denunciar
-
Uma excelente tarde.
Beijos

Maria Lucia (Centelha) disse...

Esplêndido poema!
Do jeito que eu gosto: poucos versos, palavras enxutas mas altamente significativas. O tema Sonho, expressa uma das preferências dos poetas.

Abraços, amiga !!

- R y k @ r d o - disse...

Uma foto/imagem simplesmente fascinante. O Poema é lindíssimo. A conjugação poética perfeita.
.
Abraço de amizade.
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Porventura escrevo disse...

Um poema que nos faz velejar e viajar sem destino
Gostei

LuísM Castanheira disse...

Poema fascinante.
Muito bem construído. A essência do sentimento transferido para outro "eu".
"...Já não sou veleiro,
sou apenas sonho,..."
Gostei muito e hei-de voltar para ler tudo.
Obrigado pelo seu comentário.
Abraço

Vanessa Casais disse...

Que lindo poema. O sonho comanda a vida! Adorei a escolha da imagem também.

Gostei do blog que já estou a seguir. Convido a visitar o meu cantinho e a seguir também se gostar é claro.

Bom fim-de-semana,
Vanessa Casais

Mário Margaride disse...

Lindíssimo poema!
Que o sonho nos mova sempre, ao encontro dos nossos ideais.
Imagem igualmente linda.

Grato, pela visita e gentil comentário.

Beijinhos, e feliz fim de semana!

CÉU disse...

E a sentença é: que a minha querida amiga escreva poemas, com alguma regularidade, e tão bons qto este e os anteriores.

Olá, minha amiga!

Claro, fazes tu bem em ter a tua vela erguida, porque murchos já bastam os dias que temos vivido e o amargo de boca k daí advém.
Sulca, sulca e sonha, pke «o sonho comanda a vida» como diz o poeta e tu também pertences a esse grupo de escritores e sonhadores.

Tudo o que nos perturbe, devemos deitar fora ou rasgar como tu fazes (gosto tanto da expressão rasgar sonhos) e os bonitos e agradáveis devem «vestir-nos». Enrolamo-nos neles, sobretudo naqueles que são do nosso amor, e passamos a noite com eles. Tão bommmmmmmmmmmmm! Nesse momento, podes ver com nitidez um amoroso sonho dele de vela erguida. Já era altura! Mãos à obra!

Mais um poema de que gostei mto, e este soube-me a sensualidade, embora discreta.

Beijos, um grande abraço e bom domingo.

Juvenal Nunes disse...

Se ambos têm a vela erguida, nada impede que possam navegar a todo o pano.
Poema muito interessante.
Abraço poético.
Juvenal Nunes

Juvenal Nunes disse...

Quando ambos têm a vela erguida, nada melhor do que navegar a todo o pano.
Espero, sinceramente, que encontrem ventos de feição.
Abraço amigo.
Juvenal Nunes

R's Rue disse...

Beautiful

© Piedade Araújo Sol disse...

Um belo poema em sintonia com a foto.
Que seria de nós sem os nossos sonhos?!
Gostei!
Tenha uma semana abençoada com muita saúde.
Beijinhos
:)

Fá menor disse...

Belo jogo de palavras.
Quando há vento de feição há que se fazer ao mar.

Beijinhos.

all types recepies and desert disse...

Very nice

Mário Margaride disse...

Olá, amiga!
Passei por aqui, relendo este lindo poema. E desejar uma boa semana!

Beijinhos!

José Carlos Sant Anna disse...

Um belo poema a separar o joio do trigo pela metáfora do sonho e a confessar o enleio com o tu, o objeto do desejo. Tudo bem condensado como deve o poema bem construído como o que acabamos de ler.
Um abraço,

Ulisses de Carvalho disse...

um belo poema de versos sugestivos! viajei com o olhar. um abraço!

saudade disse...

Que essa vela erguida te leve além mar. Beijinhos

Rosas

Rosas
Especialmente para ti, amigo visitante

Arquivo do blogue