segunda-feira, janeiro 28, 2013



AUSÊNCIA



Apartada dos meus sonhos
E dos teus olhos ausente,
Perdi o amor pelas palavras
Que eu usava como espada
Ou como bandeira hasteada,
Mas sempre como semente.


Com elas fazia versos
Cantando os risos e as dores
E a transparência do amor.
Falava do rio que eu era
E do barco à vela que foste,
P'ra me poder navegar.

Abriste sulcos tão fundos
Nas águas do meu sentir
Que a minha voz se partia
E o meu coração sangrava
Sempre que neles caía
Sem vontade de emergir.

Emudeci no poema
Perdi o brilho no olhar.
De rio, passei a deserto
Que percorro devagar
Escalando cada duna
Na ânsia de ver o mar.

29 comentários:

Fa menor disse...

A beleza da tristeza...

mas acredita que hás-de chagar ao mar. Ele espreita.
:)

Bjnhs

José disse...

boa noite Maré Viva!

Voltaste nas marés de Janeiro,E
que bom é verte por aqui.
É só subires a duna o mar fica no outro lado.

Beijinho grande,
José.

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
"Eu sou o mar infinito,
e todos os mundos não passam de grãos de areia
sobre a minha margem."
(KAHLIL GIBRAN)

Cumprimentos

Benó disse...

O mar aqui tão perto nem precisa imaginar. Não há desertos nem dunas só areais enluarados para neles se sonhar.
Vá, caminhe pelos raios de luz não se deixe naufragar.
Beijos amigos.

C Valente disse...

Sonhos um dos bens da humanidade, não paga impostos, não se sujeita á politica, é todo um universo
Gostei do seu poema, obrigado
Saudações amigas

BlueShell disse...


Hoje …triste e desiludida demais

Texto excelente e tocante.
BShell

© Piedade Araújo Sol disse...

mas o mar está sempre lá...

um poema muito riste e belo na sua nostalgia.

a foto muito bem escolhida.

beijo

(obrigada)

Manuel Luis disse...

Para quem está perto do mar, sente a tristeza que eu não compreendo. Constrói um barco com uma vela maior para navegares nas ondas mais distantes.
Bj

Vanuza Pantaleão disse...

De rio passei a deserto... uma tristeza tão linda, tão linda.
Adorei te rever, amiga!!! Bjssss

Secreta disse...

Apesar da dor, continuas a fazer magia com as palavras.
Beijito.

poetaeusou . . . disse...

*
o rumo das tuas palavras,
levam-te ao encontro do Mar,
veleiro de silabas,
nas letras da maresia !
,
rumadas conchinhas,
deixo,
*

vieira calado disse...

Olá, boa noite, como tem passado?
Do poema saliento
"...como bandeira hasteada,
Mas sempre como semente.
O poema, em si, discorre entre a água e a terra e está muito bem concebido.
E já agora, na 4ª Feira de Cinzas, vai haver em Barão, uma nova sessão Diálogos.
Estará disponível?
Depois me dirá.
Beijinho para si!

Camila disse...

Fiquei até sem palavras..

Nilson Barcelli disse...

Há ausências que nos deixam desertos...
Magnífico poema, gostei imenso.
Querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
Beijo.

tulipa disse...

FINALMENTE
regressaste...

Vou esperar pela tua visita aos meus blogues.

Mostrarei sempre que puder, uma boa fatia deste cantinho sem igual.
O prazer é todo meu...desde que possa, fá-lo-ei sempre.
...
Pois,
nem eu conhecia os lugares por onde andei, é mais uma vantagem de andar nos passeios fotográficos, nem imaginas o que tenho
aprendido e descoberto pelos maravilhosos sítios que tenho andado a fotografar.

O meu precioso tempo
é mesmo muito pouco e limitado, aqui na net, infelizmente.

ONTEM
Foi um sábado magnífico
pela Costa Vicentina,
tive a sorte de ser presenteada
com um excelente dia
e bela companhia.

Emudeceste no poema, perdeste o brilho no olhar...passaste a deserto...e, agora, ao fim de meses, já fizeste uma retrospectiva
só me questiono:
Alguém merece isso de nós?
MULHERES
temos que mostrar que somos merecedoras de tudo de bom e ninguém merece uma só lágrima derramada por nós.

Carlos D disse...

Entrei no Barlavento, encontrei a ausência, e fiquei com vontade de navegar nestas dunas, e encontrar o mar.

Secreta disse...

Vim deixar um beijito...
(não prolongues demasiado, a ausencia.)

tulipa disse...

FEVEREIRO
já passa de meio
é urgente
que nos ofereças outro post
...
aproveita a embalagem
não páres outra vez,
pelo caminho.

Desafio-te a visitar os meus 2 blogues, desta vez
fiz 2 posts que se complementam, sobre o mesmo tema.

Algo que existe no Algarve
será que conheces?
Já mereceu a tua visita?
Vem ver e, assim que possas
vai visitar
Acredito que vais gostar.

É frequente encontrar crianças e adultos a banharem-se e a brincar nas límpidas e frias águas da ribeira.

Encontram-se vários poemas de Cândido Guerreiro!
Poeta que tantas vezes se inspirou nas suas visitas à Fonte Pequena.

O poeta apreciava particularmente a harmonia bucólica do local,
cujas características ainda hoje se mantêm.

Aliás, foi nesse lugar que a povoação resolveu edificar uma estátua em sua homenagem.

Sabes do que se trata?

Ana disse...

O mar está aqui ... nas palavras que escreves !

Um beijo *

Pearl disse...

Sabes a tristeza pode ser assim... perfeita.


um beijo

C Valente disse...

Saudações amigas é um prazer por aqui passar

Daniel Aladiah disse...

Como sei do que aqui escorre... e toda a gota pode ser vida no deserto.
Beijo
Daniel

poetaeusou . . . disse...

*
passei por aqui,
na ânsia de ver o MAR,
Teu,
Meu,
de Todos,
Maré Nostrunm . . .
,
um mar de amizade,
fica,
*

Manuel Luis disse...

Onde quer que estejas, festeja da melhor forma este dia. Beijos e abraços

Manuel Luis disse...

Por onde andas maré amiga? Aguardo ansioso por ti.
Bj

Manuel Luis disse...

Rigorosamente sei que te procuro e estás perto.
Saúde.

José disse...

Por onde você anda Maré viva? Venha tenho saudade de si, é a vizinha mais perto de mim.
Todos os meses há uma Maré viva, a de Janeiro, e Agosto é que são as maiores.
Quando poder volte..

Beijo
José

Canto da Boca disse...

Apesar da dureza da ausência, a poesia é sempre presença marcante!

Beijos, amiga e bom demais te saber de volta!

;))

C Valente disse...

A minha ausência deve-se ao estado de espírito, andamos deprimidos
saudações amigas

Rosas

Rosas
Especialmente para ti, amigo visitante

Arquivo do blogue