quarta-feira, janeiro 05, 2011

RECOMEÇO

Neste começo de 2011, em que nos são vaticinadas tantas dificuldades, nada melhor  que este belo poema de Miguel Torga,  para nos incutir um pouco de ânimo e esperança!

Recomeça...
Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade. 
E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
o logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças...

Miguel Torga
Imagem encontrada net.

17 comentários:

Flor da Vida disse...

Um poema muito belo e verdadeiro! Obrigada minha amiga, por compartilhar! Carinhos pra ti... Bjsss

piedadevieira disse...

Que maravilha para um re-começo de ano!É bom refletir nesses versos e continuar a jornada.
Feliz ano novo para você, amiga!
Beijos

Secreta disse...

Um poema belissimo e que muito me diz!
Beijito.

Folhetim Cultural disse...

meu blog voltou com tudo acompanhe durante a semana noticiário cultural. Espero que goste. Me siga. Abraços boa semana.

informativofolhetimcultural.blogspot.com

Magno Oliveira
Folhetim Cultural

Cristina Fernandes disse...

Um saboroso poema do Torga... relido no inicio deste ano com prazer.
Um excelente ano para ti.
Beijinho
Chris

Flor da Vida disse...

Amiga, vim lhe deixar carinhos e um abraço apertadinho de amizade, viu? Bjsss

Thiago disse...

Querida Baby,

Palavras que além de beleza trazem uma reflexão. Ótimo para se ler nesse ano que se inicia. Devemos seguir em frente com animo, sempre!

Beijos,

Thiago

José disse...

Olá Baby!
Bem vinda de novo,e espero que estejas passando bem este novo ano que agora começou.
Um lindo poema de Miguel Torga, bom para pensar e reflectir, quando falta a lucidez, é o principio do fim do caminho.

Um beijo para ti com o meu carinho,
José.

Valquíria Oliveira Calado disse...

Deus fala com você

Eram aproximadamente 22 horas quando um jovem começou a dirigir-se para casa. Sentado no seu carro, ele começou a pedir: “Deus! Se ainda falas com as pessoas, fale comigo. Eu irei ouvi-lo. Farei tudo para obedecer-lhe”.

Enquanto dirigia pela rua principal da cidade, ele teve um pensamento muito estranho: “Pare e compre um galão de leite”.

Ele balançou a cabeça e falou alto: “Deus? É o Senhor?”. Ele não obteve resposta e continuou dirigindo-se para casa. Porém, novamente, surgiu o pensamento: “Compre um galão de leite”.

O jovem pensou em Samuel e como ele não reconheceu a voz de Deus, e como Samuel correu para Eli.

Isso não parece ser um teste de obediência muito difícil... Ele poderia também usar o leite.

O jovem parou, comprou o leite e reiniciou o caminho de casa. Quando ele passava pela sétima rua, novamente ele sentiu um pedido: “Vire naquela rua”. Isso é loucura... – pensou – e, passou direto pelo retorno.

Novamente ele sentiu que deveria ter virado na sétima rua. No retorno seguinte, ele virou e dirigiu-se pela sétima rua.

Meio brincalhão, ele falou alto: “Muito bem, Deus. Eu farei”.

Ele passou por algumas quadras quando de repente sentiu que devia parar. Ele brecou e olhou em volta. Era uma área mista de comércio e residência. Não era a melhor área, mas também não era a pior da vizinhança. Os estabelecimentos estavam fechados e a maioria das casas estava escura, como se as pessoas já tivessem ido dormir, exceto uma do outro lado que estava acesa.

Novamente, ele sentiu algo: “Vá e dê o leite para as pessoas que estão naquela casa do outro lado da rua”.

O jovem olhou a casa. Ele começou a abrir a porta, mas voltou a sentar-se. “Senhor, isso é loucura. Como posso ir para uma casa estranha no meio da noite?” Mais uma vez, ele sentiu que deveria ir e dar o leite.

Inicialmente, ele abriu a porta... “Muito Bem, Deus, se é o Senhor, eu irei e entregarei o leite àquelas pessoas. Se o Senhor quer que eu pareça uma pessoa louca, muito bem. Eu quero ser obediente. Acho que isso vai contar para alguma coisa, contudo, se eles não responderem imediatamente, eu vou embora daqui”.

Ele atravessou a rua e tocou a campainha. Ele pôde ouvir um barulho vindo de dentro, parecido com o choro de uma criança. A voz de um homem soou alto: “Quem está aí? O que você quer?”

A porta abriu-se, em pé, estava um homem vestido de jeans e camiseta. Ele desconhecido em pé na sua soleira. “O que é?” O jovem entregou-lhe o galão de leite. “Comprei isto para vocês”. O homem pegou o leite e correu para dentro falando alto.

A mulher pegou o leite e foi para a Cozinha. O homem a seguia segurando nos braços uma criança que chorava. Lágrimas corriam pela face do homem e, ele começou a falar, meio soluçando: “Nós oramos. Tínhamos muitas contas para pagar este mês e o nosso dinheiro havia acabado. Não tínhamos mais leite para o nosso bebê. Apenas orei e pedi a Deus que me mostrasse uma maneira de conseguir leite”.

Sua esposa gritou lá da cozinha: “Pedi a Deus para mandar um anjo com um pouco... Você é um anjo?”

O jovem pegou a sua carteira e tirou todo dinheiro que havia nela e colocou-o na mão do homem.

Ele voltou-se e foi para o carro, enquanto as lágrimas corriam pela sua face. Ele experimentou que Deus responde os pedidos.

Quanto tempo você leva para parar um pouquinho e ouvir Deus?

C Valente disse...

Poema forte e verdadeiro ou não fosse de Torga
Saudações amigas e bom ano

Vanuza Pantaleão disse...

Baby, querida, para mim é sempre promissor recomeçar a cada manhã, a cada respiração. Recomeçar contigo e tantas poesias...

Um feliz 2011, amiga!Bjssss

tulipa disse...

AMIGA

Há começos e recomeços...
Gostei deste de Miguel Torga que partilhas connosco.

e, para recomeçar, só peço:
um pouco mais de vida e seria viajante
um pouco mais de tanto e seria saudável
um pouco mais de santa e seria louca
um pouco mais de sorte e serei feliz.

É só o que peço.
Beijos da Tulipa.

Dois Rios disse...

"De nenhum fruto queiras só metade."

Ando assim, querida Baby. Quero completude, vastidão e calmaria.

Belíssimo poema de Torga. Morro de inveja da precisão cirúrgica dos poetas! rs... As palavras deles nos atingem de cheio, o coração.

Beijo, linda Baby!
In~es

Canto da Boca disse...

Não é uma receita, mas uma sábia sugestão do Torga. Recomecemos, pois!

Querida, deixo-te um beijo e melhores desejos para todos os recomeços necessários em 2011!

poetaeusou . . . disse...

*
e Torga,
sempre indicou-nos
recomeços !
,
conchinhas,
,
*

Nilson Barcelli disse...

De nenhum fruto queiras só metade...
Gosto imenso do Miguel Torga. Uma referência da literatura do século XX.
Beijo, querida amiga.

Manuel Luis disse...

Vagando nessas tantas ruas virtuais, encontrei a tua porta de amante das Letras abertas - e entrei. Devo anunciar-me como um desses que diz "Oi, da casa! Trago aqui nas minhas mãos a chave para dias melhores: desejo-te um excelente ano com muita saúde, amor, dinheiro e tempo para gasta-lo.
Beijo

Rosas

Rosas
Especialmente para ti, amigo visitante

Arquivo do blogue